Bem-vindo viajantes

Bem-vindo viajantes! Esse blog tem como objetivo tornar público algumas questões, reflexões e vivências que tenho tido, daí o nome "Viagens de Paulo Pom". As postagens e discussões desse espaço envolverão os seguintes temas: meio ambiente, sustentabilidade, ciclismo e cicloturismo, montanhismo e vivência ao ar livre. Mas viagens por outros mundos também serão feitas...

sexta-feira, 27 de abril de 2012

USOS DA BICICLETA: ENTREVISTA NA TV

Uma reportagem muito bacana da TV Record tratou sobre os múltiplos usos da bicicleta, inclusive com uma rápida entrevista que fizeram comigo a respeito da minha cicloviagem pela Nova Zelândia (veja link do vídeo da matéria no final dessa postagem).

O uso de bicicletas vem crescendo em  SP: um salto de 177%  de 1997 para 2007, segundo o Metrô:


A bicicleta pode ter vários usos, significados e objetivos. Pode servir como instrumento de trabalho:
Uma cena comum no centro de São Paulo


Ou meio de transporte em grandes cidades:
Final da Av. Rebouças,
ponte da Marginal Tietê
São Paulo/SP


Ainda como meio de transporte, 
pode-se integrar a bicicleta com o metrô:
Bicicleta dobrável
Cidade Universitária ao fundo (SP)


Cicloviagens com os amigos:
Vale Europeu/SC
carnaval de 2010
 


Para fazer amigos e fortalecer velhas amizades:
Vale Europeu/SC - carnaval de 2010


Para as pequenas revoluções que proporcionarão melhores condições de vida para os nossos filhos:
Bicicletada em S. Paulo: jan/2011
Tunel Ayrton Senna 

E por falar nas crianças...
Encontro de Cicloturismo 2009
Campos do Jordão/SP


E por falar em revolução...
A caminho da bicicletada de julho de 2011
http://viagensdepaulopom.blogspot.com.br/2011/08/bicicleta-mais-surreal-que-ja-vi.html


Tem gente que usa a bicicleta como casa:
Foto recebida por e-mail, sem referências

Outros só querem a bicicleta para chamar atenção:
Encontro de Cicloturismo 2009
Campos do Jordão/SP


A bicicleta ajuda a superar desafios consideráveis:
Viagem em Paraibuna/S. Luiz do Paraitinga
Clube de Cicloturismo - 2009

A transpor obstáculos:
Vale Europeu/SC
carnaval de 2010


Mas também é pura curtição:
Viagem em Paraibuna/S. Luiz do Paraitinga
Clube de Cicloturismo - 2010


A bicicleta pode ser um meio de restauração:
Bicicleta Inglesa Phillips (1953)
em abril de 2007

A mesma Phillips revitalizada
em 2009, exposta no Salão Duas Rodas
São Paulo/SP

A bicicleta te leva para muito longe...
Rumo ao Mt. Cook
Cicloviagem pela Nova Zelândia - 2009


... mas ajuda a te trazer de volta.
Aeroporto de Auckland (NZ) - 2009
Pedal com a bici carregada pela cidade...
... finalmente voltando para casa.

Muito usada no passado; ainda mais no presente e de vital importância para uma sociedade que, no futuro, almeja essa tal de sustentabilidade.


A reportagem da TV Record, parte da série Nos limites do corpo pode ser acessada no link abaixo. A minha entrevista (com imagens da Nova Zelândia) está  no final, a partir do minuto 10:55. Mas vale a pena assistir toda a matéria.




Sobre minha cicloviagem pela Nova Zelândia:


http://viagensdepaulopom.blogspot.com.br/2011/09/cicloviagem-nova-zelandia-no-jornal.html


http://viagensdepaulopom.blogspot.com.br/2011/09/cicloviagem-nova-zelandia-exposicao.html


http://viagensdepaulopom.blogspot.com.br/2011/10/cicloviagem-nova-zelandia-exposicao.html



quinta-feira, 26 de abril de 2012

BICICLETA ANTIGA: CALOI 15 (1979)




Michel, um leitor deste blog, me mandou as fotos desta bela Caloi 15, ano 1979. 

Caloi 15: uma rara bicicleta
Ele conta que, certa vez, sua vizinha lhe ofereceu a Caloi 10 do finado marido, após realizar uma limpeza no sótão da casa.

Michel não se interessou muito, porque já possuía 3 bicicletas, incluindo uma Caloi Cruiser Light de 5 marchas, que pensava em reformar. 


Os detalhes da Caloi 15: decalques íntegros, peças sem oxidação
e com cromagem original, pintura original e o suporte de caramanhola.

Já propenso a negar a oferta, Michel foi ver a velha Caloi 10 do finado marido de sua vizinha. Ao chegar no local ficou "pasmo": era uma Caloi 15 em ótimo estado, com pintura e peças originais. 


Observem os detalhes: alavancas de troca de marchas e
até mesmo o prendedor de conduíte original


Michel se recordou que, quando era garoto, tinha uma Caloi 10 e quem era proprietário de uma 15 era o "bambambam". Em suas palavras:  

"... era a melhor bicicleta nacional do momento, pois naquela época não tinha essa de 18 e 21 marchas"


Selim com a marca Caloi

Michel aceitou a Caloi 15 da vizinha e a desmontou por completo, para limpá-la, engraxá-la e tirar a oxidação das peças cromadas. As fotos mostram o resultado dessa reforma.

Quando Michel me mandou essas fotos (no início de março/2012) sua intenção era vender a Caloi 15. Eu tentei convencê-lo a ficar com essa linda raridade, mas me dispus a anunciar a bicicleta no blog. 

Não falei mais com o Michel e não sei se ele desistiu da ideia ou se já conseguiu vendê-la. Mas quem quiser pode contatá-lo pelo e-mail abaixo. 


De qualquer maneira, a beleza e singularidade desta Caloi 15 já pode ser vista por todos.

E-mail do Michel: miniro@ig.com.br


* Fotos e fonte: Michel

* Sobre a restauração da minha Caloi 10 (1975 - ano estimado): http://viagensdepaulopom.blogspot.com/2011/04/bicicleta-antiga-caloi-10-1975.html

* Quem quiser pode fazer como o Michel, mande fotos de sua bicicleta clássica e uma breve história para meu 'e-mail' (paulorobertopom@gmail.com) que eu publico no blog.

ABRIL: O MÊS DO COMETA

Todo mês de abril eu lembro do Cometa Halley.

Órbita do Cometa Halley em relação a Terra na passagem de 1985/86
Fonte: Cometas (1985)
No dia 11 de abril de 1986, depois de 76 anos de sua então última passagem (1910), o Cometa Halley voltou a se aproximar da Terra, a uma distância de 63 milhões de km.

Aos olhos dos terráqueos, o Halley apareceu como uma singela estrela no céu. Uma frustração...

A passagem do Cometa Halley em 1986 decepcionou os habitantes da Terra.
Fonte: Veja, 9/4/1986


Mesmo assim, a passagem do Halley em 1985/86 me marcou muito. Eu era garoto e começava a me interessar por astronomia.

O Brasil estava se redemocratizando, depois dos anos de chumbo da ditadura militar. O Plano Cruzado tinha sido lançado e congelou os preços para acabar com a inflação galopante; o povo era "fiscal" do então Presidente Sarney.

Na televisão, a novela Roque Santeiro fazia sucesso e um dos personagens, o enigmático Prof. Astromar (Rui Rezende), estava em busca do cometa.

Ao contrário da passagem de 1910, o Cometa Halley não era prenúncio do final dos tempos, mas sinônimo de bons negócios para os capitalistas. Muitas bugigangas foram fabricadas, inclusive um boneco/robô de gosto duvidoso.  

O Boneco/robô Halley
Fonte: Cometas (1985)
A moda Halley estava em todos os lugares, até mesmo na fachada da mais famosa loja de departamentos da cidade daquela época, o Mappin, situada na frente do Teatro Municipal: 

Trajetória do Halley no Mappin de S. Paulo.
Fonte: Veja, 9/4/1986
O setor de turismo também queria um pedaço desse bolo. Viagens de navio, promoções em hotéis fazenda e até vôos de avião para ver o cometa "mais de perto": 

Fonte: Cometas (1985

Será que o hotel de Atibaia devolveu o dinheiro para seus hóspedes?

Os governos dos países desenvolvidos se moveram para estudar do cometa. Uma nave não tripulada foi enviada para passar por dentro da nuvem do Halley:


A sonda  Européia Giotto estudou o Halley em 1986.
Fonte: Veja, 19/3/1986

Somente a NASA, a famosa agência estadosunidenses, perdeu essa oportunidade, pois seu programa espacial estava paralisado devido à trágica explosão do ônibus espacial Challenger, em janeiro de 1986, matando 7 astronautas.
Foto NASA


Em março de 1986, eu tinha acabado de perder o meu querido avô. Como ele tinha nascido em 1910, mesmo ano da passagem anterior do Halley, minha cabeça de criança imaginou que o cometa tivesse alguma ligação com sua partida. Mesmo assim, segui explorando o Halley. 

Divulgou-se que a Pedra Grande, situada no município de Atibaia/SP, seria um dos melhores lugares para os paulistanos avistarem o cometa.


No dia da maior aproximação (11/abr/1986), um mundaréu de carros saiu à caça do Halley e congestionou as ruas e estradas de SP. Muitos pararam na beira das rodovias para apontar suas lunetas. Bêbados, empunhando suas garrafas de aguardente, gritavam suas profecias. Era uma histeria coletiva misturada com frustração. 

Eu estava no carro com minha família, rumo à Atibaia. Presos no congestionamento, nos perdemos dos meus tios e primos, por isso meu pai decidiu voltar para casa e não conseguimos ver o Halley.


A trajetória do Halley nos céus de abril de 1986
Fonte: Cometas (1985)

Depois daquela noite, o Halley foi caindo no esquecimento das pessoas e saindo de moda. Mas eu insistia e quatro dias depois, na sacada do quarto dos meus pais, aproveitando uma noite sem nuvens, apontei o meu binóculo para a constelação do Centauro e lá estava o Halley. E foi assim que anotei essa visão no meu caderninho de observações astronômicas:



Naquela noite, eu desejei encontrar o Halley em sua próxima passagem, programada para 2061. Ainda penso nisso e sempre me lembro do cometa no mês de abril.

Hoje o Halley está muito longe da Terra, nos confins do Sistema Solar, a cerca de 4,9 bilhões de km.


http://astro.u-strasbg.fr/~koppen/orbitviewer/halley.html

E você ainda se lembra do Cometa Halley?

Fontes:
- Cometas, os vagabundos do espaço, Domingos Alzugaray e Cátia Alzugaray, Editora Três, 1985
- Revista Veja, edições de 19/3/1986 e 9/4/1986